Jump to content

Pesquise na Comunidade

Mostrando resultados para tags 'fintech'.

  • Pesquisar por Tags

    Digite as tags separadas por vírgulas.
  • Pesquisa por Autor(a)

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Antes de tudo...
    • O nosso fórum é para vocês devs e software houses!
  • Geral
    • Desenvolvimento de Software
    • Reviews de Solução
    • Troca de Conhecimentos Gerais
    • Classificados
  • Negócios
    • Admistrativo/Financeiro
    • Tecnologia
    • Tudo sobre Marketing
    • Gestão
    • Gestão de Pessoas
    • LGPD
    • Customer Success: Foco no cliente
  • Comunidade DFe
    • Café com o Contador
    • Notas Técnicas - Café Expresso
    • Tudo sobre DFe
    • Cálculo de impostos (ICMS, IPI, PIS/COFINS, IRPJ)
    • Comércio Exterior
  • Linguagens de Programação
    • Dúvidas de Desenvolvimento
    • C#
    • C++
    • HTML & CSS
    • Java
    • JavaScript
    • PHP
    • Python
    • Ruby
    • SQL
    • Outras Linguagens
  • Startups
    • Mentoria
    • Apresente sua Startup
    • Dúvidas
  • Produtos
    • PlugBank
    • Suíte de Componentes
    • PlugDash
    • PlugNotas
    • TecnoSign
    • Manager SaaS
    • TecnoPay
  • Off Topic
    • Blog da Casa do Desenvolvedor
    • Blog da TecnoSpeed
    • Orgulho de ser Nerd/Geek
  • Cursos
    • TecnoSpeed Academy
    • Curso Básico para Devs
  • Eventos
    • TecnoUpdate
    • Eventos de Tecnologia 2022
    • Webinars/Lives
  • Monitor SEFAZ
    • NF-e
    • NFC-e
  • Rejeições
  • Regras Tributárias
  • Trampos em TI | Home Office's Vagas
  • Clube dos AGR's's Discussões
  • Clube dos AGR's's Fale com o Marketing
  • Clube dos AGR's's Dicas do CS
  • Clube dos AGR's's Capacitação em Vendas
  • Clube dos AGR's's Materiais CHS
  • Clube dos AGR's's Materiais Autêntica
  • Clube dos AGR's's Conteúdos TecnoSpeed Certificados
  • Parceiros - Canal de Vendas's Segmentos
  • Parceiros - Canal de Vendas's Dúvidas
  • Mentalidade Ágil's Tópicos
  • Computação Feitep's Geral
  • TIC Performance 2021 - SEBRAE's Trilha dos Workshops 2021
  • TIC Performance 2021 - SEBRAE's Materiais de apoio
  • TIC Performance 2021 - SEBRAE's Aula Gestão Financeira para Software Houses
  • TIC Performance 2021 - SEBRAE's Dúvidas
  • TecnoUpdate 2021's Novidades
  • TecnoUpdate 2021's Conteúdos
  • TecnoUpdate 2021's Dúvidas
  • Desafio Casa do Dev - NodeJS (2021)'s Comece aqui
  • Desafio Casa do Dev - NodeJS (2021)'s Dúvidas
  • Desafio Casa do Dev - NodeJS (2021)'s Cursos - Gratuitos
  • Desafio Casa do Dev - NodeJS (2021)'s O Desafio
  • PROTHEUS TOTVS's Release 33
  • Univale - Ivaiporã's Notícias

Blogs

  • Gestão Empresarial
  • Gestão de Pessoas
  • Empregabilidade

Product Groups

Não há resultados para exibir.


Encontre resultados em...

Encontre resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    Fim


Última Atualização

  • Início

    Fim


Filter by number of...

Ingressou

  • Início

    Fim


Grupo


Ciente das Políticas de Privacidade


Declaração de Ciência e Autenticidade e de Veracidade


Ciente dos Termos de Serviços e das Regras do Hub


Sobre


Você é estudante?


Qual sua área?


Outro? Por favor, especifique.


Como você conheceu o nosso fórum?


Outro? Por favor, especifique.


Qual seu nível de senioridade?

Encontrado 15 resultados

  1. Olá desenvolvedor! Neste post iremos disponibilizar à você algumas informações adicionais referentes sobre, o que fazer quando você realiza a emissão do boleto e gera o arquivo de remessa, porém ele não é registrado no banco. Por qual motivo isso ocorre? Este problema pode ocorrer por 3 motivos: 1° O arquivo de remessa não foi gerado e encaminhado ao banco; 2° O arquivo de remessa foi gerado, porém não foi encaminhado ao banco; 3° O banco realmente não realizou o processamento do arquivo de remessa; De qualquer forma, como resolvemos este cenário? Para resolvermos este cenário, nós temos realizar uma série de análises para identificar onde foi a falha, e assim dar sequência com o processo. Você utiliza o método de transmissão manual ou automático? Caso for manual: Verifique diretamente com o banco o motivo disto ter ocorrido, pois em algumas vezes o banco pode acabar recusando o arquivo de remessa justamente por conta de algum erro ou parâmetro incorreto dentro do arquivo de remessa. Caso utilize a transmissão automática de arquivos de remessa e retorno: Primeiramente confirme se o arquivo de remessa foi realmente gerado; Caso tenha sido gerado, o próximo passo é entrar em contato com o Responsável pelo tráfego dos arquivos, e solicitar os logs de envio do arquivo de remessa ao banco (assim você consegue verificar se existiu algum problema no momento da transmissão). Após obter os logs de envio do arquivo de remessa ao banco, é necessário que o cedente entre em contato com o banco para verificar o motivo do arquivo de remessa não ter sido "processado" e os boletos serem registrados. Para clientes das soluções Tecnospeed e que utilize a transmissão automática de arquivos de remessa e retorno: Verifique se o arquivo de remessa realmente foi gerado ( Mais simples verificar via Portal do cedente) Caso a remessa tenha sido gerada, peço para que entre em contato conosco através dos nossos canais de atendimento, pois assim iremos lhe fornecer os logs de envio do arquivo de remessa, para que o cedente possa verificar o motivo do arquivo de remessa não ter sido "processado" e os boletos serem registrados. Caso tenha qualquer dúvida sobre o cenário explicado ou se quiser conhecer nossas soluções , estaremos sempre à disposição e será um prazer ajudar!
  2. Olá Desenvolvedor(a). Hoje apresentaremos uma forma de como pode ser feito o acesso aos campos de um JSON em C#, visando ajudá-lo a integrar seu sistema com APIs que trazem seus retornos neste formato de dados. O objetivo deste post é mostrar uma forma simples e rápida de fazermos essa tarefa. Abaixo temos um JSON de envio retornado pela nossa API PlugBoleto 1: Podemos identificar “níveis de acesso” no JSON. Onde o no primeiro nível contém o campo _status e no segundo nível encontra-se o campo “_dados”, que possui um objeto (array de outros campos) dentro dele. Geralmente é neste ponto que se encontra a dificuldade em acessar esses dados no momento da implementação de alguma solução. Para ilustrar a questão utilizaremos o campo “idintegracao” como exemplo de informação a ser acessada. 1º passo: Instalar pacote Newtonsoft.Json O pacote Newtonsoft.Json pode ser instalado no projeto através do gerenciador de pacotes NuGet. A Documentação pode ser acessada através desse link: https://www.newtonsoft.com/json 2º passo: Desserializar o JSON 3° passo: Acessar os níveis do JSON para trazer o campo que queremos Seguindo o exemplo acima, a variável status trará a string “sucesso” e a variável idintegracao trará a string “O4HNvir2_”, que é o conteúdo do campo “idintegracao” que aparece na posição [0] do array presente dentro do array _sucesso, e a variável situacao trará a string “FALHA”, que é o conteúdo do campo situacao que aparece na posição [1] do array presente dentro de “_sucesso”. Ou seja, após a desserialização, nós acessamos as informações campo a campo, e nos campos que trazem informações em forma de array, passamos para o método o index do campo que queremos acessar, para que o compilador saiba qual informação deve ser recuperada. Como funciona a integração com as APIs da Tecnospeed? Em nossos produtos de Emissão de Boletos 1, Pagamentos e Consulta de Crédito que a integração é feita via API, a integração é compatíve com qualquer linguagem que faça comunicação HTTPS e o formato de integração tanto no envio quanto no retorno são em JSON, facilitando assim o seu processo de desenvolvimento para se integrar conosco! Caso queira conhecer nossas soluções ou se tem alguma dúvida a respeito de nossos produtos deixe um comentário aqui no post, estarei a disposição e será um prazer ajudá-lo.
  3. Olá Desenvolvedores. Este post estará comentando sobre a rejeição retornada pelo banco do Brasil: Entrada Rejeitada, Entrada para Título já Cadastrado Esta rejeição acusada pela instituição bancária, ocorre pois já contém um boleto com a mesma identificação do nosso número, registrado na base de dados do banco. Relacionado ao nosso número, esta identificação faz com que os bancos tenham o controle sobre os registros de cada título encaminhado via remessa, ou através do registros instantâneos Como evito esta rejeição? Para evitar esta rejeição, o indicado seria realizar a automação de incremento deste valor, para cada boleto emitido no sistema, ou até mesmo cadastrar junto ao banco a carteira escritural, para que o baco realize este controles internamente. Outra dica, é sempre averiguar junto ao seu gerente de contas, qual o próximo sequencial a ser registrado. Pois assim, a sequencia de registros irá estar de acordo com o solicitado. A TecnoSpeed pode me auxiliar com este controle? Sim, em nosso produto PlugBoleto, possuímos um controle onde não iremos permitir a emissão de um boleto contendo o mesmo nosso número, vinculado a conta emissora. Ou seja, o risco de rejeições por duplicidade do nosso número é reduzido. Caso tenha alguma dúvida, estaremos a disposição.
  4. Olá desenvolvedor! Neste post estrei comentando sobre os arquivos de retornos disponibilizados pelo banco após o processamento do seu boleto. Um retorno basicamente se refere a todos os dados que o banco processou internamente, retornando assim as informações para o boleto, como por exemplo: - Se o seu boleto foi registrado com sucesso; - Se o boleto foi processado pelo banco, porém rejeitado por alguma inconsistência; - Os dados de liquidação do boleto, caso tenha sido pago; Entendendo o que é este arquivo Para podemos seguir para a análise do mesmo é necessário entender a estrutura do arquivo de retorno, que é dividido em linhas e posições pré-definidas. O primeiro passo é identificar qual o banco e CNAB que está sendo utilizado. Isto é facilmente identificado olhando os 3 primeiros dígitos do arquivo, e a quantidade de caracteres em cada uma das linhas. Usaremos como base um arquivo da Caixa, CNAB 240. Pesquisaremos no site do banco pela documentação da remessa, e ao localizarmos, procuraremos no manual as informações das tabelas de "Retorno", conforme imagem abaixo: Agora, com o manual em mãos, basta localizar nele a informação que desejamos, e junto ao arquivo buscar as informações. No layout da Caixa CNAB 240, podemos ver que as informações do retorno encontram-se no "Segmento T" e "Segmento U" do arquivo de retorno. Agora, iremos até as tabelas com as descrições de cada campo para localizar as informações que desejamos. Como exemplo, vamos supor que desejamos saber qual o valor pago por um determinado boleto. Portanto, de acordo com a documentação, procuraremos o campo "Valor Pago pelo Pagador", que se encontra nas posições 78 a 92 do segmento U. Faremos isso para cada campo que você deseja fazer a leitura. Ou seja, identificamos no manual a posição em que se encontra a informação, e na sequência, fazemos a leitura da mesma no arquivo de retorno. É importante lembrar que apesar deste layout variar bastante entre cada banco e entre cada CNAB, a lógica por trás é sempre a mesma: precisamos localizar no manual as informações que queremos, e na sequencia, fazemos a leitura no arquivo disponibilizado pelo banco. Como posso facilitar esta verificação? Nossa aplicação de emissão de boletos possui toda a leitura do retorno para diferente bancos homologados, sendo necessário apenas a inclusão deste arquivo em nossa aplicação. Com isso será feito uma leitura de todos os campos necessários para que você apenas consulte o seu boleto emitido, para ter acesso aos movimentos e ocorrências do boleto. Caso tenha alguma dúvida, estamos a disposição.
  5. Olá Desenvolvedor! Neste post estarei comentando sobre as notificações via Webhook. O que é um webhook? Um webhook nada mais é do que uma notificação em tempo real voltada a eventos, ou seja, assim que for identificada alguma alteração em determinada informação, é possível encaminhar estas alterações juntamente dos dados que achar necessário ao cliente, como por exemplo, uma notificação de registro de um boleto, onde você será notificado, quando o boleto assumir uma situação pré-definida e esperada pelo seu sistema. Por que utilizar este recurso? Este modelo de notificação pode ser muito útil para as APIs, permitindo um controle de informações maior, como por exemplo identificar se um boleto foi pago. A utilização do webhook pode lhe trazer um automação maior ao seu sistema, sem a necessidade de verificar se houve alguma alteração. A TecnoSpeed possui este modo de envio das notificações? Sim, nos da TecnoSpeed temos desenvolvido em nossa aplicação o envio de notificações via webhook, e ela é bastante útil em clientes que utilizam a "Transmissão automática das remessas e retornos". Nesta forma de registro, o envio das remessas e recepção dos retornos é feita automaticamente pela Tecnospeed, sem necessidade de operações manuais dos clientes. E é neste fluxo que o webhook é bastante interessante, pois, em nossa integração é possível configurar um webhook quando o arquivo de retorno for recepcionado por nós, vindo do banco, ou seja, conseguimos notificar as Software Houses sempre que um boleto é Liquidado, por exemplo, ou caso ele assuma qualquer outra situação. Desta forma, a Software House não precisa consultar diariamente todos os boletos que possuem, basta apenas aguardar a nossa notificação, indicando que houve alguma atualização em seus boletos! Para alguns exemplos que a nossa aplicação pode estar encaminhado ao seu servidor, temos uma lista, clicando aqui Caso tenha alguma dúvida, estamos a disposição.
  6. Olá desenvolvedor e cliente das nossas soluções Fintech! Abaixo irei apresentar as novidades e melhorias das nossas soluções, que foram implementadas durante o mês de Abril/2021. API de Boleto Controle na geração de uma remessa de baixa para o Sicoob; Melhoria nas filas de registro via Web Service; Ajuste no case sensitive dos filtros da GUI; Tratamento em erro de autenticação no WS do Sicoob; Retentativas de consulta no WS do Sicredi; Disponibilizada a carteira escritural para o banco Fibra e Sofisa; Disponibilizada a versão de layout com segmento de mensagem no banco Banrisul; API de Pagamento Homologação do pagamento de FGTS para o Itaú e Banco do Brasil; Ajuste na geração de um código de barras de um pagamento de tributo do Itaú; Ajuste no segmento J do banco Sicoob; Mapeamento de todas as ocorrências disponibilizadas pelo Bradesco; API de Extrato Criação de um filtro de data na consulta do extrato; Criação de um filtro de consulta do extrato pelo código do banco; API Pix Integração com a GerenciaNet; Tratamento de reprocessamento na consulta do Pix via WS Itaú;
  7. Boa tarde Prezados. Gostaria de saber do que se trata essa falha no momento da emissão do boleto. Falha: Falha na comunicação com o Santander. Código: -1. Descrição: undefined Cedente: [EDITADO PELO HUB] Boleto: ZyRrjLMn7 Ambiente: Produção fico no aguardo e desde já agradeço! Tópico originalmente criado por: @jairo
  8. Tópico originalmente criado por: @Pedro.Bravin Olá desenvolvedor! Neste post iremos disponibilizar à você algumas informações referente a como instanciar um componente/biblioteca no Visual FoxPro. Passo a passo: Primeiramente devemos criar um novo projeto, e um novo form ou abrir o projeto que você deseja adicionar os componentes; Depois disso, abra o form principal, clique com o botão direito dentro do form e depois clique em “code”, em seguida, vá até a procedure “Init” do object “Form”. A init é executada quando o form é aberto, então é nela que vamos instanciar o componente, conforme este exemplo: PUBLIC Boleto Boleto = CREATEOBJECT(“BoletoX.spdBoletoX”) PUBLIC ConsultarList As BOLETOX.spdRetConsultarLista Na tela de edição do FoxPro, selecione o botão Object Browser; Na tela que abrir, selecione o botão “Open Type Library”; Na tela em seguida, clique na aba “Com Library”, e em seguida em “Browser” navegue até a pasta em que está a .dll ou .ocx. Após seguir estes passos, o componente estará configurado e você já conseguirá utilizar os métodos .dll e OCX. Caso tenha qualquer dúvida sobre o cenário explicado ou se quiser conhecer nossas soluções, estaremos sempre à disposição, e será um prazer ajudar!
  9. Tópico originalmente criado por: @lucas.gusmao Olá Desenvolvedor, bom dia! Como vai? Hoje fizemos o lançamento oficial do nosso MVP do PIX e, logo abaixo, vou tirar algumas dúvidas sobre o projeto! Caso ainda fique algum ponto, fique a vontade para comentar neste post, ou então criar um post novo aqui no fórum mesmo. 1. Quais métodos estão disponíveis no MVP? R: Atualmente, você pode fazer o registro do PIX no banco, consultar o status do pagamento do mesmo, fazer a impressão (QRCode dinâmico e estático) e configurar o envio de Webhooks para automatizar o processo de cobrança. Para verificar todos os métodos da nossa API, você pode acessar a nossa documentação completa 103. 2. Quero registrar o meu PIX usando o ambiente do banco, como faço? R: Para registrar o PIX diretamente no banco, é necessário que o correntista entre em contato com o seu gerente de cash management e solicite o acesso à API do PIX junto ao banco. O gerente vai encaminhar as credenciais para consumir a API (geralmente são: client_it, client_secret e api_key) que deverão ser configurados em nossa API. 3. Com quais bancos a API da Tecnospeed está integrado? R: Atualmente a nossa API está integrada com a API do Itaú para fazer o registro dos PIX. Está previsto para a primeira quinzena de Fevereiro a integração com o Banco do Brasil. 4. Quero usar a API da Tecnospeed, mas não tem o banco que eu preciso, o que fazer? R: A integração com o banco necessita de um correntista para poder fazer o consumo das APIs. Caso possua um banco que não está na nossa lista, basta solicitar a liberação junto ao gerente (descrito no passo 2) e nos encaminhar as credenciais. A homologação será feita sem custos. 5. Não tenho conta em nenhum banco, mas quero usar a API da Tecnospeed, como faço? R: Você pode utilizar o nosso ambiente de Sandbox! Esse ambiente é uma cópia do ambiente real, mas que não possui o registro no banco. Com isso, você pode testar todos os métodos e conhecer a integração, deixando o seu cenário preparado. Para utilizar o nosso ambiente de Sandbox, basta fazer o download da nossa collection do postman, clicando aqui 36. 6. Estou com dificuldades em fazer a integração, mas não sei onde pedir suporte, como faço? R: Nesse primeiro momento, em que estamos trabalhando com um MVP, o suporte será feito através da plataforma do HUB. Basta comentar nesse post ou criar um post novo na sessão da Fintech 13, que você será respondido pelos nossos desenvolvedores. 7. Estou interessado na aquisição da API, como funciona o modelo comercial? R: O nosso modelo comercial ainda está em definição, porém, em breve teremos novidades. Por hora, o nosso ambiente do MVP estará aberto (e de forma gratuita) até o dia 05/02.
  10. Tópico originalmente criado por: @Eduardo_Montanhole Olá desenvolvedor(a), Você sabe para que serve o campo sacador/avalista no boleto bancário? Mesmo com vários anos desde a implantação do sistema de cobrança bancária eletrônica como conhecemos hoje, existe muita dúvida a respeito da utilização do campo de SACADOR/AVALISTA e hoje vamos deixar essa opção do boleto eletrônico bem clara de uma vez por todas. Mas antes de tudo vamos relembrar rapidamente o que significam alguns campos relacionados ao sacador/avalista. Sacado: é quem paga o título, pode ser chamado também de pagador. Cedente ou beneficiário: é quem receberá o valor pago pelo boleto, ou seja, o emissor do título de cobrança. Em casos em que a empresa utiliza uma instituição bancária ou intermediadora de pagamentos, o campo de CEDENTE pode ser preenchido com o nome do intermediador de pagamento, quando isto ocorre, o nome da empresa que vendeu o produto ou serviço constará no campo de SACADOR/AVALISTA. Assim sendo, quando existir o processo de terceirização da emissão do boleto de cobrança quem de fato irá receber o valor pago pelo Sacado será o SACADOR/AVALISTA e não o CEDENTE como ocorre nos casos convencionais de emissão de boleto. Vamos utilizar um exemplo para ser mais claro: A empresa Softwares ABC é uma software house e utiliza a TECNOSPEED como sua intermediadora de pagamentos. A empresa Transportes e Cia é uma cliente da Softwares ABC. Ao emitir o boleto para que a Transportes e Cia. pague a mensalidade de sua solução o boleto vai com as seguintes informações. Nesse caso que utilizamos como exemplo podemos verificar que a TECNOSPEED se tornou a BENEFICIÁRIA do título, a SOFTWARE ABC foi preenchida como AVALISTA e a TRANSPORTES E CIA continuou como pagador, este é um exemplo prático de utilização do campo SACADOR/AVALISTA. Como utilizar o sacador/avalista no PlugBoleto: Em nossa ferramenta possuímos a funcionalidade de sacador disponível e de utilização muito simplificada sendo necessário apenas o preenchimento dos campos com os dados do SACADOR/AVALISTA necessários no JSON de envio do boleto conforme exemplo de preenchimento abaixo:
  11. Olá desenvolvedor e cliente das nossas soluções Fintech! Abaixo irei apresentar as novidades e melhorias das nossas soluções, que foram implementadas durante o mês de Março/2021. API de Boleto Homologação do layout de 400 posições para os bancos Sofisa e Fibra; Correção no download de arquivos de retornos recebidos via VAN(Transmissão automática) na GUI; Inclusão do banco Sicredi no novo fluxo de conciliação de retornos; Download de arquivos de retornos convertidos do base64; Criado o envio e callback da URL de autenticação do Webservice do banco Sicoob; Incluímos o campo TituloOutrosAcrescimos no JSON de consulta do idintegração; Disponibilidade da versão do layout "001" dos bancos Bradesco e Daycoval, no CNAB 400; Remoção de caracteres especiais no idIntegracao do banco Safra; Disponibilizado a devolução da nomenclatura do arquivo de retorno no download do arq. de retorno pela GUI; API de Pagamento Homologação do banco Citibank; Correção no segmento O do banco Itaú; Conversão das formas de pagamento do Santander no segmento J; API de Extrato Homologação de extratos OFX para o Sicoob; API Pix Homologação do banco Bradesco;
  12. Olá Desenvolvedor(a). Hoje abordaremos as diferenças entre rotas SÍNCRONAS e ASSÍNCRONAS, e a forma com que nossas API's utilizam essas funcionalidades. Primeiramente vamos entender qual a diferença entre os dois tipos de requisições e como são utilizadas. TIPOS DE ROTAS Síncrona Nesta rota no momento em que uma requisição é enviada, o processo que origina a requisição é bloqueado até que exista uma resposta, ou seja, não é possível enviar novas requisições enquanto a requisição em processamos seja finalizada, existe sincronismo entre as requisições. Como por exemplo e envio de NF-e a sefaz nessa modalidade de requisição a SEFAZ retorna imediatamente o status da nota. Assíncrona Na utilização de uma rota Assíncrona, não existe “sincronismo” entre as requisições, deste modo é possível mandar várias requisições em paralelo, e as respostas serão disponibilizadas de acordo com a finalização do processamento individual. Seguindo o exemplo da NF-e nessa modalidade de requisição você não terá o o status da nota imediatamente mas sim em outro momento. Como a TECNOSPEED utiliza essa funcionalidade em suas API’s. Nós utilizamos as rotas síncronas e assíncronas visando a melhor performance de nossas API’s otimizando o uso da CPU como por exemplo em nossa API PlugBoleto para emissão de boletos. Utilizamos rotas síncronas para requisições consideradas mais “leves”, ou seja, requisições onde demanda menos utilização de CPU como cadastro de cedentes, contas, convênios e etc. E nos casos de rotas de processamento mais “pesado” como requisições de envio de JSON de boletos e UPLOAD DE RETORNO utilizamos uma rota POST assíncrona onde após preenchido com ARQUIVO DE RETORNO convertido em Base64 é gerado um PROTOCOLO DE PROCESSAMENTO conforme imagem abaixo: Após a finalização do processamento da requisição fazemos a consulta do protocolo de processamento utilizando rota GET para consultar o protocolo de processamento e ter acesso aos dados retornados: Caso tenha interesse em conhecer nossas soluções para desenvolvedores entre em contato conosco! Será um prazer te atender! E restando qualquer dúvida estamos à disposição!
  13. Olá Desenvolvedor! Neste post, estarei comentando sobre a espécie do documento na qual é necessário informar ao gerar um boleto. A espécie do documento ou espécie do título listado em alguns manuais, esta referindo-se a qual será o tipo de cobrança do título que o cedente estará emitindo para o pagamento. Relacionado a estas espécies, são disponibilizados diversas siglas e códigos para a inclusão em um boleto. Podemos destacar algumas utilizadas para estas emissões: DM - Duplicata mercantil: um título de crédito em que o comprador se obriga a pagar dentro do prazo a importância representada na fatura, este prazo precisa ser igual ou superior a 30 dias. DR - Duplicata Rural: vendas a prazo de quaisquer bens de natureza agrícola, extrativa ou pastoril, quando efetuadas diretamente por produtores rurais ou por suas cooperativas, poderá ser utilizada também, como título do crédito NP - Nota promissória: é um documento que funciona como promessa de pagamento de uma dívida. NF - Nota Fiscal: um documento oficial que registra as vendas da sua empresa. Estas espécies precisam ser utilizadas de acordo com o tipo de documento que for emitido para o seu pagamento, ou caso o seu banco solicite uma espécie em especifico. Pois ela irá garantir a segurança e também qual a finalidade deste boleto. Visando uma padronização, a TecnoSpeed possui diversas espécies homologadas na aplicação, sendo necessário apenas informar o código mapeado e iremos realizar a conversão para o formato que o seu banco aceite. Temos disponível também todas as espécies mapeadas em uma documentação, tendo como objetivo uma facilidade de integração dos seus boletos: https://atendimento.tecnospeed.com.br/hc/pt-br/articles/360014970654-Espécie-do-documento Caso tenham alguma dúvida, estamos a disposição.
  14. Olá Desenvolvedor! Neste post, estarei comentando sobre a geração do nosso número para o banco Sicredi. Dentre todos os bancos, o Sicredi possui um tratamento diferente para a composição do nosso número, sendo dividido em quatro partes. Esta composição do nosso número junto ao Sicredi, somente será necessário apenas se o beneficiário for responsável pelo controle desta numeração, caso contrário, não será necessário informar o sequencial do boleto. Para a composições do nosso número, será necessário conter as seguintes informações: Ano: relacionado ao ano atual que este nosso número esta sendo gerado. Exemplo: 2021; byte: relacionado ao controle de quem emite, estão disponíveis os valores 2 a 9 onde 2 o cedente que emite e 1 somente a cooperativa pode utilizar( para boletos pré-impressos ); Sequencial: relacionado ao nosso número de controle único do boleto; Dv do sequencial: esta relacionado ao digito verificador do nosso número; Ao realizar a junção de todas estas informações, temos o seguinte valor para o banco: AABXXXXD( 21/20004-1 ) onde as letras "A" representam o ano, "B" byte, "X" Nosso número, "D" digito verificador A TecnoSpeed realiza este tratamento de acordo com a solicitação do banco? Sim, em nossa aplicação para a emissão de boleto, realizamos o tratamento para que não seja necessário informar todos estes parâmetros. Para que posamos realizar este preenchimento, será necessário apenas que informe o sequencial do nosso número que o banco esta aguardando, e o restante ficar por nossa responsabilidade. Um detalhe importante relacionado ao Byte seria que, caso o cadastro junto ao banco for diferente de 2, será necessário informar o byte junto ao sequencial do boleto no campo TituloNossoNumero, tendo como exemplo BXXXXX "B": Byte "X": Sequencial do nosso número Caso tenham alguma dúvida, estamos a disposição.
  15. Olá Desenvolvedor(a). Hoje vamos entender um pouco mais sobre a estrutura do ARQUIVO DE REMESSA, primeiramente vamos contextualizar sobre o que é o arquivo de remessa e para que é utilizado na rotina de registro de transações bancárias. Para que se faz necessário o ARQUIVO DE REMESSA? O arquivo de remessa é um documento enviado ao banco ou instituição financeira para sinalizar a emissão de uma transação eletrônica, como por exemplo um boleto. Esse arquivo contém informações que permitem registrar ou dar baixas em cobranças, pagamento de títulos, impostos e folha de pagamento. Um boleto só pode ser registrado com sucesso quando estiver acompanhado do arquivo de remessa, facilitando os processos para o banco, para o emissor e para o pagador. “De forma resumida, ele é um arquivo que contém todos os dados que o banco precisa para registrar a transação.” ESTRUTURA Todas as instituições financeiras seguem o modelo de ARQUIVO DE REMESSA definido pela FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos que é a principal entidade representativa do setor bancário brasileiro, porém os bancos podem variar em pontos/informações específicas em suas remessas mantendo sempre a estrutura principal que consiste em: Header de Arquivo, Header de lote, Segmentos de detalhe, Trailer de lote e Trailer de arquivo. Abaixo temos um exemplo de como esse arquivo é formado: Header de Arquivo É a primeira linha do arquivo de remessa é nele que tem as principais informações do cedente como CNPJ número de conta, agência e convênio além de dados de SACADOR/AVALISTA quando necessário. Header de Lote Header de Lote iniciará na segunda linha do arquivo de remessa, os lotes são subdivisões que existem dentro do arquivo, separando os diferentes tipos de cobrança que podem existir na remessa como por exemplo: COBRANÇA,DOC, TED e etc. Registro de Detalhe O registro de detalhe pode ser definido como o “CORPO DO ARQUIVO” nele fica contido os dados de cada título enviado na remessa como nome do pagador, valor, instruções de juros/multa e etc. Cada registro de detalhe pode ser composto por um ou mais segmentos, isso varia de acordo com o tipo de serviço que ele detalha, existem vários tipos de segmentos de registro diferentes e eles são definidos pelo tipo de serviço. Trailer de Lote Tem a função de indicar o fim do lote, em alguns casos faz a totalização dos registros e valores contidos no lote. Trailer de Arquivo Trata-se do fechamento do arquivo de remessa e possui informações como o tipo de registro e número do sequencial da remessa. Geração de remessa na solução da TECNOSPEED. Nossa aplicação PlugBoleto conta com o recurso de geração do arquivo de remessa, após enviado o JSON de envio do boleto e estando na situação de “EMITIDO” o cedente pode solicitar a geração do ARQUIVO DE REMESSA, nossa aplicação irá gerar o arquivo de acordo com a estrutura definida pela FEBRABAN e regras específicas definidas pelos bancos, eliminando assim possíveis problemas para a Software House relacionados a estrutura de arquivos . Após gerado o arquivo de remessa o cedente tem a opção de envio manual, onde o cedente solicita o arquivo de remessa em nossa API ou OCX, e nós te devolvemos o conteúdo do arquivo de remessa, para que então, seja feito o envio do arquivo manualmente ao banco via internet banking/sistema bancário e existe também o envio automático, onde o cedente solicita o arquivo de remessa em nossa API ou OCX, e este arquivo é gerado nos servidores da TECNOSPEED e nós fazemos a entrega dele ao banco, de forma totalmente automatizada e sem necessidade de manipulação do arquivo de remessa pelo usuário final. Caso tenha interesse em conhecer nossos produtos voltados à Cobrança Bancária entre em contato conosco! Será um prazer te atender! E restando qualquer dúvida estamos à disposição!

Sobre o Fórum

Este é um fórum para todos que fazem parte
do ecossistema de uma Software House!

Bem-vindo(a) ao fórum da Casa do Desenvolvedor, uma comunidade completa, onde desenvolvedores, software houses, profissionais de marketing, experiência e vendas, fornecedores de soluções, aficionados por inovação e tecnologia podem tirar dúvidas, compartilhar novidades e conhecimento, trocar experiências e até postar uns memes que só nós da tecnologia entendemos 😅

Crie agora sua conta e vamos juntos fortalecer
o desenvolvimento de software no Brasil! 🇧🇷

×
×
  • Create New...